• Imagem de cabeçalho do site do mestrado em estudos linguisticos

Linguagem e Sociedade

A grande área de concentração reúne trabalhos e projetos de pesquisa que apresentam como foco de interesse a reflexão sobre variados aspectos que caracterizam a língua portuguesa na sua história, na sua aquisição e na sua relação com os contextos socioculturais e discursivos que os abrigam. Busca-se investigar a natureza e o funcionamento da língua, do texto e do discurso bem como processos de aquisição, variação e mudança que lhes são inerentes em seus mais variados aspectos (fonético-fonológicos, morfossintáticos, lexicais, semânticos, históricos, sociais, geográficos, culturais, pragmáticos…).
A questão primordial, desse modo, que integra os projetos desenvolvidos, é o modo como funciona a língua portuguesa. O que importa, e é isso que fundamenta essa investida, é pensar a língua como um sistema variável e dinâmico, que se renova a cada momento, que se multiplica e auto-organiza através do seu uso pelos falantes e pela interação desses com o mundo; língua que é, ao mesmo tempo, reflexo da cultura e também instrumento de construção e afirmação da cultura, marcando e sendo marcada por ela. Investigar, portanto, variados aspectos que caracterizam os processos de aquisição, variação e de mudança da língua, sobretudo em contextos de uso, é, nesse sentido, considerar a linguagem e o modo como a utilizamos em toda a sua complexidade.
A área, portanto, integra os seguintes temas de pesquisa: a língua portuguesa falada e escrita em contextos específicos; constituição de bancos de textos e bancos de dados para a história do português no Brasil; o português urbano e rural; o português africano, com vistas a contribuir para a discussão sobre as origens do português brasileiro; fontes documentais escritas na tentativa de encontrar dados que forneçam mais elementos sobre a importância maior ou menor do contato linguístico para a formação do português brasileiro; a aquisição do português como L2, que fornecerá também elementos para a discussão dos efeitos da “aquisição imperfeita” na formação do português brasileiro; edição crítica de documentos baianos; aspectos do português em sua evolução histórica; os modos de falar, ler e escrever como práticas sociais de produção de conhecimento.
Recomendar esta página via e-mail: